E não viveram tão felizes assim…

18 nov

O que vem depois do Felizes para Sempre dos contos de fadas, que povoavam nossas infâncias, parece impossível saber, mas ainda dá para imaginar.

Passamos anos acreditando que poderíamos não crescer se visitássemos um lugar chamado Terra do Nunca, que era possível voar em um tapete mágico ou ainda que, se fossemos lindas e comportadas, um príncipe viria nos resgatar em seu cavalo branco. Ok, muitas mulheres continuam acreditando nisso. Mas não deveriam, tá?!

Hoje esse tema é mais complexo. Afinal, príncipe encantado não existe (NÃO EXIIIIIISTE!), sabemos que princesas também podem ser bruxas de vez em quando e talvez até o famoso “para sempre” seja utopia. Afinal, depois da Bossa Nova o que vale mesmo é o “que seja eterno enquanto dure”. E dizem que isso é que é fidelidade, né não, Vinicius?

Exatamente para atualizar e desmistificar essas histórias fofas, mas ilusórias e frustrantes (que vem recheando o bolso dos terapeutas do mundo real), a fotógrafa norte-americana Dina Goldstein fez um trabalho transgressor e cheio de crítica. Lembram também da Mariel Clayton?

Parecida com as Barbies de Clayton, na série Fallen Princesses, as Princesas da Disney são fotografadas de uma maneira que questiona os valores passados às meninas quando ainda são crianças.

Bela, se rendendo à plástica, para dar jus ao nome.

Perceberam que todas as princesas resolvem os conflitos de suas vidas por sua beleza e não por sua inteligência?

Bela Adormecida e seu Príncipe. No asilo.

Dina, então, colocou as imagens das princesas em um cenário de problema real, enfrentado diariamente por mulheres pelo mundo. E a autora explica: “Quando criança, cresci fora do meu país e tive pouco contato com contos de fadas. Quando os conheci, já adulta, fiquei curiosa e fui buscar suas origens. Percebi, pelos originais dos irmãos Grimm, que as histórias continham passagens macabras e trágicas – tudo tirado pela Disney. Comecei a imaginar a justaposição das princesas perfeitas da Disney e problemas reais que afetam mulheres ao meu redor.”

Rapunzel, provavelmente fazendo quimioterapia

Branca de Neve em um pesadelo doméstico

O então “encantado” príncipe agora espreguiça-se para assistir TV e beber cerveja, enquanto ela encarrega-se das muitas crianças.

Ariel, como muitos peixinhos, confinada em um aquário

Cinderela: Bebendo sozinha em um bar de Vancouver

Jasmin, soldado de guerra civil

Pocahontas: acumuladora de gatos

A imagem da crazy cat lady, a mulher solteirona americana e solitária que preenche seu vazio interior com gatos.~

A Princesa e a Ervilha. Muitos colchões, nenhuma casa.

Chapeuzinho Vermelho e amarelo.

Não precisávamos ir muito longe para ver que a vida real é muito mais cruel que as páginas escritas pelos Irmãos Grimm. Por aqui, nossas princesas morrem em acidentes de carro, as bruxas não tem verruga no nariz e príncipe em cavalo branco só no Jockey, por favor!

2 Respostas to “E não viveram tão felizes assim…”

  1. Bruna Guio 22/11/2011 às 13:54 #

    Hahahahahahhaaha…. Massa!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: